HOSPITAL DA GENTE

O encontro com o escritor Marcelino Freire, cuja acidez dos contos funde-se com o espaço e a realidade local, fez com que as idéias do grupo ganhassem voz e em fevereiro de 2008 entra em cartaz o espetáculo HOSPITAL DA GENTE, considerado uns dos espetáculos que marcaram 2008 no Brasil e que fez do GRUPO CLARIÔ o mais premiado do Estado de São Paulo no 1º Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro.


SINOPSE

Catadas dos cantos/contos de Marcelino Freire, trabalhadoras do Brasil abrem as portas dos seus barracos para revelarem à que vieram, qual o seu papel, seu lugar dentro de uma estrutura caótica e desigual. Sem drama!

Não há o Drama.
Figuras tão conhecidas como a mendiga, a bêbada, a prostituta , a velha, a mãe ou a dona de um boteco de uma Favela Fênix qualquer, dão luz à perguntas apagadas do nosso questionário a respeito do que está acontecendo.

O que esta acontecendo?
O que você faz com a fome, tem remédio? Onde eu vou achar tanto remédio bom? Minhas asas quem mandou cortar? Capim sabe ler? Hein? E o cachorro? A cachorra? Sou puta ou não sou puta? Parado não é pior? Repartir seu quarto? Pergunta? Cadê meus dentes? Tem esforço mais esforço do que o meu esforço? Ta me ouvindo bem? Já viu amor entre porco? Entre sapo? Entre pombo? Aí diz que o pombo é bonito porque o pombo se empomba, porque o pombo corre atrás da pomba, bom é pombo assado e pronto!

O moço tá servido? A moça?

FICHA TÉCNICA 

Autor: Marcelino Freire
Direção: Mario Pazini
Elenco:Maira Galvão, Martinha Soares, Naloana Lima, Naruna Costa, Luana Lima, e Paloma Oliveira
Cenografia: Alexandre Souza (João)
Contra-regra: Washington Gabriel
Iluminação: Will Damas
Música (composição e direção musical): Naruna Costa
Sonoplastia—Radio Eita Pôxa FM?: Renato Nascimento
Figurinos: Grupo Clariô de Teatro
Assessoria de Figurinos: Leandro Benites
Adereços: Martinha Soares e Naruna Costa
Técnico palco: Alexandre Souza
Música Beradêro: Chico César
Arte Visual: Naruna Costa
Fotos: Moisés Moraes
Contos (por ordem de entrada): Nação Zumbi; Trabalha-dores do Brasil, Balé, Muribeca, Totonha, Phoder, Vaniclélia, Darluz, Amor Cristão, Socorrinho, Da Paz e Favela Fênix.
Contos extraídos das obras: Angu de Sangue, Balé Ralé, Contos Negreiros, Rascif e alguns ainda inéditos.